Hoje tinha programado escrever sobre cunnilingus mas sofri um evento de vida que urge partilhar.

Inscrevi-me no ginásio, apesar da eterna lesão da virilha direita e daquele estalido rotular que já encaro com carinho, e lá fui a uma aula matutina do Ginásio Clube Português. Daquelas em que a média da população ronda os 65 anos com um desvio padrão para a pré-reforma e outro para o cuidado geriátrico. Se pensam que encarei a tarefa com arrogância, estão muito enganados. Toda eu sou humildade.

Dei uma corridinha, estiquei uns grupos musculares e muito satisfeita concluí que findaria a sessão sem lesões. Uns agachamentos para aqui, uns pesos para ali – de 2 quilos, coisa pouca, que eu queria tratar-me com meiguice -, tudo correu dentro dos limites do expectável. Aula de intensidade moderada, tecnicamente controlada e sem levar nenhum reformado à vergonha alheia. Até que me deu a confiança.

Pus-me de pé num ápice e com 28 anos de existência compreendi o verdadeiro significado de ver estrelas. Não é que uma pessoa veja estrelas, mas fica de noite, por mais que abra os olhos. E depois há aquela sensação da vida a esvair-se pelos braços e pernas, como se quisesse juntar-se à Deusa no coração da terra. Os pensamentos são profusos mas num único sentido: “Please com 3ª idade a ver nãaao!”

Uma pessoa engole o orgulho e senta-se num cantinho. Mas o orgulho é uma coisa lixada e logo quer levar a sua avante. Pela goela. Eu não me limitei a bater em retirada. Ainda tive tempo de sentir o meu orgulho a incorporar-se numa bola de bílis que, em hercúleo esforço anti gravitacional, se elevou ao longo do meu esófago e… “Burb”. Bolsei. Temia um vómito em jato, pelo que até encarei o resultado com otimismo.

“Podia ter sido pior”, refleti, e lá me encaminhei para os balneários. Só foi pena ter entrado nos masculinos. Ainda me lancei uns bons 20 metros adentro até ter sido intercetada por um aposentado em cuecas.

R.E.S.P.E.C.T. para a turma sénior das 8.30 GMT.

E sim, amanhã falo de sexo. (Mas no fundo está tudo relacionado).

(e quem diz amanhã, diz para a semana, ok?)