cuni

Há de facto qualquer coisa de espantoso quando boca e língua se aplicam disciplinada e eficazmente na sucção vibrátil de toda a área da vulva. Se aliadas a um dedo ou dois e fazer coceguinhas naquela parede rugosa lá de dentro, nem se fala. Exceto, claro, quando não é espantoso.

O cunnilingus é habitualmente pensado como uma forma nobre de atividade sexual, em que um elemento ativo veste a capa do altruísmo e se atira de cabeça (mesmo) à indagação lingual da genitália feminina. O minete, meu amigos, enaltece quem o pratica. Já o broche não eleva ninguém, mas isso é outra conversa.

Hoje narro a Ode Ao Mau Uso do Minete, porque nem tudo neste ato é necessariamente de calibre superior. Parto daquele momento em que duas pessoas sabem que vão fazer sexo. Um deles decide-se a proporcionar divinas dádivas lambidelas e migra para Sul. Encontra uma vulva. Gordinha e cintilante. Inicia a sessão de lambuzamento.

“Mas, mas, mas o que é que vais fazer aí abaixo? Eu estou bem, não é preciso molhar mais. Ah isso é bom. Assim devagarinho. Isso. Devagar. Devagar. Vá. Calma. Eu gosto mas também não é preciso exagerar… Calminha. Calma! Assim estás a lambuzar tudo!

Vá concentra-te, ele está a esforçar-se. Bom. Isto é bom. Estou é a sentir uma corrente de ar. De onde vem este vento? Não me posso constipar por ali, pois não? É porque estou encharcada e isso não é nada bom. Claro que não me constipo, que estupidez. Toma atenção. “Sexo oral é incrível”, toda a gente sabe. Oh meu deus estou a sentir a baba a escorrer pela coxa. Sim, é oficial, tenho uma cascata de gosma vaginal ensalivada a desaguar em enxurrada nos lençóis de lavado. Será que antes de passarmos à próxima parte posso absorver com um guardanapo? Bom, mais vale agora tentar concentrar-me nisto. Vá lá, um orgasmo e acaba. Um último esforço. Epa, não consigo não consigo sentir nada com essa fricção desenfreada. Ai ai ai. Até parece que sinto um formigueiro. Acho que estou a ficar dormente. O que é que ele está a fazer? Vai usar os dedos, ok. Cuidado, não gosto de sentir unhas. Hum? O que é que…? Não cuspas. Não te atrevas a cuspir. Nãaaaaaaaooooooooo! Porquê meu deus? Quero um kleenex e é já!”

To be continued…