Sex facts #3

Haruta é o nome dado à figura da prostituta da Babilónia e também significa ‘liberdade’ em hebraico. In Esther Perel, “Mating in Captivity”, p. 175

Eu não sou estudiosa do Talmude, mas reza a história que Rabbi Hiya Bar Ashi estava no seu jardim a implorar a Deus para o livrar da tentação (sexual, pois claro), e a sua mulher o ouviu. Como já havia passado anos sem sexo entre os dois ela resolveu disfarçar-se de Haruta e tentar Bar Ashi. Ao aproximar-se deste ele faz-lhe uma proposta, das indecentes. Ela aceita e pede uma romã do seu jardim como pagamento. Ao chegar a casa encontra a mulher a preparar o fogo para aquecê-los pla noite e não vai de modas, atira-se lá para dentro. A mulher impede este suicídio e conta-lhe que Haruta era na verdade ela mesma, e que não havia pecado, ao que ele responde “Eu, porém, queria o proibido” – que é como quem diz, pequei sim senhora, que na minha cabeça eras outra e isso já é suficiente.

Quais são as vossas reflexões sobre esta bonita parábola sobre pecado e transgressão no pensamento judeu? Além, claro, do facto de a mulher de Bar Ashi não ter nome (as culturas cristãs e judaicas cruzam-se em muitos pontos). Se alguém conhecer mais detalhes sobre Haruta contem-me, não consigo encontrar grande coisa e parece uma figura interessante.

Sex facts #2

Elvis Presley era um traste. Pronto, já disse. Entre a sua aparente preferência ao longo da vida por adolescentes de 14 anos e os abusos descritos pela sua última mulher Ginger (que, btw, foi quem o encontrou morto na sanita com o seu pijama dourado de seda), houve ainda espaço para muitos comportamentos duvidosas, no mínimo. Parece ser também do conhecimento geral que depois do nascimento de Lisa Marie, Elvis deixou de ter relações sexuais com a sua primeira mulher Priscilla (com quem começou a namorar também aos 14 anos). Priscila conta na sua biografia que Elvis “lhe tinha dito antes do casamento que nunca tinha conseguido fazer amor com uma mulher que tivesse tido uma criança”. Deve ter sido daquelas coisas que uma pessoa ouve mas escolhe ignorar pelo pouco sentido que fazem… Claro que após o nascimento de Lisa Marie sofreu um refrescamento de memória. Lembro-me exatamente onde estava quando tomei conhecimento sobre estas vicissitudes de Elvis Presley. Eu própria devia ter cerca de 14 anos e estava a passar férias no Algarve, em Agosto, na minha casa de família perto da Praia da Luz. Estava a fazer serão à frente de uma televisão muito velhinha, daquelas que só apanhava a RTP1 com antena parabólica e fazia aquele barulho que parecia estar a sintonizar chuva, e apanhei o filme a meio. Na verdade, a única coisa que me lembro do filme foi da cara de choque de Priscilla quando Elvis rejeita os seus avanços sexuais e lhe explica que nunca conseguiu dormir com uma mãe de filhos. Não me lembro de mais nada do filme ou porque não recuperei do choque, ou porque fui olhar para as estrelas deitada do ringue de futebol como fazia com os meus amigos das férias. Bateu uma saudade agora.

Se quiserem saber mais sobre a vida sexual do Elvis têm aqui um artigo muito curto na Vice.

O filme que eu acho que comecei a ver afinal não é um filme, é uma mini-série (o que explica o facto de eu não me lembrar de grande coisa, só devo ter visto 1 episódio), e é de 2005, portanto eu não tinha 14 anos, tinha 19. Adoro como construímos falsas memórias. Vejam aqui.

Ficam também com a fotagrafia da santíssima trindade mas com direito ao penteado de Priscilla em todo o seu esplendor.

Sex facts #1

A ciência atual usa tecnologia desenvolvida nos anos 50 para detetar “falsos homossexuais” no exército.

Pois é, devemos grande parte da investigação em sexualidade humana a uma prática aberrante. Passo a explicar: uma das formas que temos atualmente de medir a excitação sexual em pessoas com pénis em laboratório é o pletismógrafo. Soa a palavrão, mas não é – é um aparelho que deteta alterações na dimensão do pénis. Nos Sex Labs modernos usamos o pletismógrafo para avaliar a excitação sexual em resposta a estímulos diversos. Então parece que esta invenção que hoje em dia serve nobres propósitos foi na verdade desenvolvida na antiga Checoslováquia para verificar se aqueles que se identificavam como homossexuais o eram “de verdade” e não estavam somente a tentar escapar ao serviço militar (que não os admitia).

Aprendi isto no podcast The Science of Sex #25 @scienceofsexpodcast mas podem ler superficialmente sobre isto na Wikipedia, por exemplo.

Há uma série de outras coisas interessantes sobre este assunto que não vão aprender na Wikipedia, nomeadamente que este procedimento não seria minimamente eficaz para identificar a orientação sexual em mulheres, mas isso fica para outro dia.

Ao ar livre.

Ai as férias.

Hoje marquei as minhas. Sem querer puxar pela autocomiseração, até porque tenho o privilégio de poder marcar férias seguras neste momento, tenho saudades de viajar em clã, cheia de abraços e conversas íntimas e sem me preocupar quantos metros existem entre mim e o próximo. Em 2014 tive umas férias bem passadas nos Açores em que qual repórter da BBC atentei aos costumes sexuais locais. Escrevi um texto para este blogue que podem ler que é uma verdadeira delícia – Turismo Sexual Nos Açores.  É mesmo uma delícia, porque me perco a falar das iguarias gastronómicas locais. A ilustração é da @filipa_, o roteiro açoriano da @sofiacogumbreiro.

Este mês dedico-me ao sexo ao ar livre. Mais a escrever sobre ele do que a praticá-lo, mas nunca se sabe.